quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Experiências de Estúdio

É fato que essa arte pilotar o estúdio como um instrumento musical a mais se aprende melhor com outros artistas mais experientes.

Vou colocar algumas observações que fiz ao longo da gravação de um CD no estúdio Ethos Brasil, com o Flávio Goulart.

Batera: gravada em 8 canais, a saber:
Bumbo, caixa, hi-hat, 2 tons, 1 surdo, mais 2 overs. Os overs e o bumbo foram microfones condensadores maiores (depois verifico o modelo), e os demais foram microfones tipo cápsula como o Shure SM57.

Baixo: passando por uma DI da boss, praticamente ligado direto.

Guitarra: passando pela pedaleira da Boss(tipo uma GT-10), com simulador de amps e efeitos.

Voz: o microfone é tudo. Um AKG de milhares de reais faz a diferença.

Isso tudo entrando numa mesa mackie, e daí pra uma interface de áudio de 8 canais.
A interface trabalhou com 24 bits e 48kHz. O programa foi o pro tools, uma versão mais antiga, rodando num MAC.


Dicas:
1. Gravar duas vezes e separar as faixas no estéreo. Fizemos isso com as guitarras base, com a voz no refrão, etc.

2. Todas as vozes devem ser afinadas. Usar um pluggin tipo o Antares. O resultado realmente é outro.

3. O tempo é fundamental. Gravar com click (metrônomo), e corrigir eventuais escorregadas principalmente da batera.

4. Ordem: gravamos primeiro uma faixa guia (em casa, pra economizar) com guitarra e voz, no metrônomo. Em cima disso o batera gravou, e depois foi o baixo. Nesse ponto deletamos a faixa guia, e colocamos guitarras base e solos. Finalmente, vozes.

5. Na hora de mixar, geralmente dá-se uma comprimida na voz pra diminuir a dinâmica. Nosso técnico preferiu acertar a dinâmica na mão, pilotando os volumes com automação no protools. Segundo ele, o compressor sempre tira alguns harmônicos, e assim fica melhor.

Ok, esse post tá incompleto, vou reunir mais umas informações e atualizá-lo.

4 comentários:

abner pereira disse...

Parabéns amigão pelo Blog, muita coisa interessante e bem explicada.
Eu sou musico e toco alguns instrumentos, já participei da gravação de um cd fazendo violão base. fiquei maravilhado vendo o produtor conduzir o trabalho. desde então tenho vontade de montar um home em casa... suas dicas são valiosíssimas para aventureiros como eu... tudo de bom, sucesso e obrigado pelas dicas.!!

♫Luiz Carlos♫♪ disse...

Beleza brother, estaremos aguardando!

Silvio Finotti disse...

Oi André, parabéns pelo blog. Ótimo para quem está se aventurando nesta de estudio caseiro. A propósito, vc. conhece o hardware da Roland VS-100 ?? O que acha de um studio caseiro baseado nele ?? Abraços !!

Rafael Requião disse...

2013. Acho que o André não volta. :(